Como Praticar a Comunicação Não Violenta :: Senta aqui, vamos conversar

A timeline de vocês também virou um campo minado? Com o resultado das eleições, não faltam trincheiras e granadas verbais pulando em todos os cantos da internet, das salas e dos butecos.

Calma, gente! CALMA!!

Temos uma dica que pode ajudar nesses tempos difíceis – e sim, por toda sua vida.

A chamada Comunicação Não-Violenta (CNV) é um método de comunicação clara e empática baseada em quatro elementos:

Observações, sentimentos, necessidades e pedidos.

A Comunicação Não-Violenta busca encontrar um jeito para que todos os falem o importante sem culpar o outro, humilhá-lo, envergonhá-lo, coagi-lo ou ameaçá-lo. É útil para conflitos, para conectar-se aos outros, e viver de um jeito consciente, presente e antenado às necessidades genuínas de si mesmo e do mundo.

Empatia é um termo que tem se tornado mais comum nas discussões por aí, agora é uma boa hora para coloca-la em prática.

Vamos lá.

*
1. Declare as observações que estão lhe levando a sentir necessidade de dizer algo.


Devem ser observações puramente fatuais, sem componentes de julgamento ou crítica. Por exemplo: “São 2:00 a.m. e eu escutei seu rádio tocando” afirma um fato observado, enquanto que “Já tá tarde pra fazer essa barulheira” acaba sendo uma crítica.

Pessoas normalmente discordam de críticas por valorizarem as coisas de maneiras diferentes, mas fatos diretamente observáveis abrem espaço para a comunicação.
*
2. Afirme o sentimento que a observação lhe desperta. Ou, compreenda o que o outro está sentindo, e peça.

Nomear a emoção, sem julgamento moral, permite que os interlocutores se conectem em um espírito de respeito mútuo e cooperação. Realize este passo com o objetivo de identificar acuradamente a sensação que você ou o outro estão tendo no momento, e não com o objetivo de envergonhá-lo por tal sentimento.

Por exemplo, “Falta meia hora pro show começar, e você ainda está se arrumando (observação). Está nervoso?”. Ou, “Vejo que seu cachorro está correndo por aí latindo e sem coleira observação). Fico meio assustado.”.

Muitas vezes, é difícil falar sobre sentimentos.

*
3. Declare a necessidade que é causa de seu sentimento. Ou, adivinhe a necessidade que causou o sentimento na outra pessoa, e faça seu pedido.

Quando nossas necessidades se encontram, temos sensações felizes e agradáveis; quando elas não se batem, temos sensações desagradáveis. Ao compreender o sentimento, você pode encontrar a necessidade subjetiva. Afirmar a necessidade, sem julgá-la moralmente, lhe dá clareza sobre o que ocorre no seu coração ou no do outro no instante da conversa.

Por exemplo, “Vejo que você afasta o olhar enquanto falo, e anda falando tão baixo que mal posso escutá-lo (observação). Me sinto desconfortável (sentimento), pois preciso de um pouco de contato agora”. Ou, “Vi que seu nome não foi mencionado nos agradecimentos. Você está se sentindo ressentida por não ser apreciada como deveria?”

Necessidades possuem um significado especial na CNV: elas são comuns a todas as pessoas e não estão ligadas a nenhuma circunstância ou estratégia específica no que tange a realização delas. Portanto, querer ir ao cinema com alguém específico não é uma necessidade, ao mesmo tempo que um desejo de passar tempo com uma pessoa em particular também não o é. A necessidade, nesse casos, seria a busca pela companhia. Você pode resolver sua necessidade por companhia de muitas maneiras, e não apenas com uma pessoa específica, e muito menos indo ao cinema. [!]

*
4. Faça um pedido concreto para que a ação encontre a necessidade identificada.

Peça de maneira clara e específica aquilo que você quer no instante em vez de dar dicas ou afirmar apenas o que não deseja. Por exemplo, “Notei que você não falou coisa alguma nos últimos dez minutos (observação). Está se sentindo entediado? (sentimento)” Se a resposta for sim, você pode revelar seu próprio sentimento e propor uma ação: “Bem, também estou entediado. Ei, que tal irmos ao Museu?”, ou talvez: “Acho muito legal conversar com essas pessoas aqui. Que tal nos encontrarmos daqui a uma hora, quando eu acabar a conversa?”

Para que o pedido seja realmente um pedido – e não uma exigência –, permita que a outra pessoa diga não ou proponha alternativas. Você tem a responsabilidade de realizar as próprias necessidades, assim como o outro também deve cuidar das próprias necessidades.

Quando fizerem algo juntos, você quer que essa ação conjunta aconteça por ambos consentirem voluntariamente a realizá-la, como um jeito de abordar os próprios desejos e necessidades genuínos, sem sentirem culpa ou pressão. Algumas vezes, vocês podem encontrar uma ação que venha de encontro às próprias necessidades, sendo que em outras, o grupo deve conseguir se separar amigavelmente. Se você não estiver preparado para pedir as coisas nesse espírito, tudo bem. Você provavelmente só precisa de um pouco mais de empatia.

*

Exemplos de Frases

Algumas vezes, um modelo de frase memorizado pode ajudá-lo a estruturar o que precisa ser dito:
”Está se sentindo _____ por precisar de ____?”
Enfatize da melhor maneira possível seus sentimentos para preencher os espaços. Você provavelmente conseguirá enxergar a situação através dos olhos dos outros.

”Está nervoso por pensar em ____?”
A raiva é ativada pelos pensamentos, como “Eu acho que você mentiu”, ou “Eu acho que mereço mais um aumento do que fulano”. Descubra o pensamento, e você conseguirá encontrar a necessidade latente.

”Ando pensando se você está se sentindo ___” é outro jeito de sentir empatia, sem fazer uma pergunta de maneira explícita. A frase esclarece que você acha algo, sem tentar analisar o outro ou forçar o outro a se sentir de tal jeito. Portanto, modere sua afirmação quanto a sentimentos ou necessidades com palavras simples, como: “se puder, que tal, será que, talvez,…”.

”Eu vejo ____” ou “Eu escutei ____” são jeitos de declarar claramente uma observação de maneira que a pessoa escute a frase como uma observação.

”Ando pensando ____” é um jeito de expressar um pensamento de forma a ele ser ouvido como sendo um pensamento. O pensamento é capaz de mudar de acordo com novas informações ou ideias passadas pelo próximo.

”Você teria vontade de ___?” é um jeito claro de fazer um pedido.

”Você gostaria se eu ___?” é um jeito de oferecer ajuda para abordar uma necessidade recentemente identificada. A pessoa permanece responsável pela própria necessidade.

Um modelo completo para todos os quatro passos poderia ser assim: “Vejo que ____. Estou me sentindo ____ por precisar de ____. Você gostaria de ___?”. Ou “Vejo que ____. Você está se sentindo ____ por precisar de ____?”, seguido de “Resolveríamos sua necessidade se eu ____?” ou uma declaração de seu próprio sentimento e necessidade seguido por um pedido.

Dica
Evite dizer: “Você me fez sentir ____”, “Me sinto ___ por você ter feito ____”, e especialmente: “Você está me deixando nervoso”. Isso coloca a responsabilidade por seus sentimentos na outra pessoa, evitando identificar a necessidade que é a verdadeira causa por trás de seus sentimentos. Uma alternativa: “Quando você fez___, me senti ___, pois precisava de ____.”.

A Comunicação Não-Violenta pode ser útil mesmo quando o outro não a prática ou não conhece nada sobre ela. Você pode praticá-la unilateralmente e obter resultados.

Nem sempre você pode adivinhar o que o outro precisa ou sente. O fato de você escutar e querer compreender sem criticar, julgar, analisar, recomendar ou discutir geralmente fará com que o outro se abra mais para que ambos compreendam melhor o teor da comunicação. O interesse genuíno pelos sentimentos e necessidades que conduzem as ações de cada um o levará a uma visão renovada, que jamais poderia ser compreendida antes da comunicação. Você normalmente pode ajudar alguém a se abrir ao compartilhar honestamente os próprios sentimentos e necessidades.

Aviso.
Não tente discutir com uma pessoa nervosa, apenas a escute. A pessoa lhe ouvirá caso você, primeiramente, escute o que a ela tem a dizer sem julgá-la. Em seguida, você pode escolher uma ação específica que beneficie ambos.

A técnica básica é se conectar emocionalmente para identificar as necessidades do outro. Em seguida, deve-se trabalhar em uma solução ou identificar motivos para compreender as coisas de maneira diferente. A empatia não é um processo mecânico. Dizer certas palavras não é o suficiente. Você realmente quer entender as emoções e necessidades do outro, ver a situação como ele.

“A empatia é onde nós conectamos nossas atenções, nossas consciências. Ela não é o que você diz em voz alta”.

Curtiu?
Veja também: O PODER DA EMPATIA :: EI CARA, EU SEI COMO VOCÊ SE SENTE!

Compartilhe.

via

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s